07 agosto, 2007

A última tentativa de Graham Hill

Norman Graham HillApós uma década de muito sucesso na BRM e na Lotus durante os anos 60, Graham Hill fez três temporadas muito fracas entre 70 e 72. Talvez pela ineficiência do defasado Lotus 49 em 70, ou pelos fracos Brabhams dos anos seguintes, ou até mesmo por uma inadaptação aos novos conceitos de pilotagem que os avanços na aerodinâmica naqueles anos exigiam de um piloto acostumado a guiar com maestria aqueles charutinhos com rodas dos anos passados. Fato é que em 1973, Hill se atirou de cabeça num projeto pessoal, sua própria equipe, a Embassy Racing.

Hill em Anderstorp 74 com sua Embassy-Lola T37173 e 74 foram anos difíceis. Usando chassis de segunda mão de Shadow, Lola, e até um improvisado Tyrrell, Hill e seus pilotos jamais se aproximaram das primeiras colocações. A partir de 75, com o desenvolvimento de um chassis próprio baseado nas experiências anteriores, esperava-se que o time finalmente fosse para frente. Mas como sabemos, isso não aconteceu, e até hoje a Embassy é tida como um grande fracasso, e a grande carreira de Graham Hill ficou estigmatizada por esses últimos anos melancólicos à frente de uma equipe que não deu certo. O que é injusto, como veremos.

Começando a derradeira temporada ainda com um Lola, o próprio Hill chegou a nem se classificar para duas provas. Ao não obter classificação para o grid do GP de Mônaco, onde ele detinha o recorde de 4 vitórias, o britânico se aposentou. Ao seu lado corria Rolf Stommelen, o alemão que começara a carreira de forma promissora, mas cujas escolhas erradas o conduziram por meios tortuosos à equipe de Hill no meio da temporada de 1974.

Stommelen, saindo da foto pela direita, larga bem no GP da Espanha de 75Antes do GP de Mônaco veio o GP da Espanha, no circuito de rua de Montjuic. Stommelen teve ao seu lado o francês François Migault. Os dois estreavam o chassis GH1, contruído pela própria equipe. O alemão largou num notável nono lugar, e logo no começo da prova ganhou posições. Em poucas voltas, ele disputava a primeira colocação da corrida com José Carlos Pace! Tudo corria bem, quando o aerofólio traseiro do GH1 se soltou, e o carro de Rolf Stommelen foi atirado contra o público. O piloto sofreu apenas fraturas, mas 4 espectadores morreram. A pista estava tão perigosa que a corrida foi encerrada antes da metade das voltas previstas com apenas 8 dos 25 carros na prova.

Tony Brise em Anderstorp com o GH1, onde marcaria um pontoApós o GP de Mônaco, Hill contratou a jovem promessa britânica Tony Brise, que acabara de debutar pela Williams. E a partir do GP da Bélgica, ele faria par com o futuro campeão mundial Alan jones. Em suma, o chassis prometia, e os dois pilotos poderiam corresponder às expectativas. Brise obteve um sexto em Anderstorp, e o australiano um quinto em Nürburgring. O inglês ainda largou em sexto em Monza, melhor posição de largada da equipe até então.

No final, a temporada foi positiva; os três pontos foram mais do que a equipe conseguira nos anos anteriores, sem contar as boas classificações nos treinos e a bela estréia do chassis GH1 na Espanha. Graham Hill tinha muitos planos para 76. Manteria Brise no time, construiria um chassis novo. Estava empenhando até mesmo as economias da família neste projeto. Mas tudo terminou subitamente quando, no dia 29 de novembro, Hill, Brise, o diretor Ray Brimble e mais dois mecânicos morreram enquanto o bicampeão tentava pousar seu helicóptero em más condições meteorológicas. Graham Hill morreu, e junto com ele seu sonho e sua obra.

Nós costumamos nos lembrar da última imagem deixada por uma pessoa, ou por um evento qualquer. Lembramos de Jim Clark, Ayrton Senna e José Carlos Pace no seu auge, e pensamos quanto mais eles poderiam ter conquistado se tivessem continuado vivos. Lembramos de Michael Schumacher ainda em forma na sua última corrida, e muitos perguntam se Lewis Hamilton seria páreo para ele se voltasse às pistas. Não nos lembramos com tanta paixão do que aconteceu antes - os fracassos, as trapalhadas, os erros - e essas pessoas se tornam mitos, embora ainda sejam pessoas. Jamais a Embassy Racing teve a chance de se tornar grande, e ela terminou de repente justo no momento da virada. É lembrada injustamente, como eu disse, como um fracasso. Mas creio que seja assim por nossa culpa, não pela deles.

Fontes: BBC, Formula One Facts.

6 comentários:

Gizza disse...

Vê se vc gosta deste blog.
http://fabioseixas.folha.blog.uol.com.br/

Blog F1 Grand Prix disse...

Monocromático,

Não sei por que, nunca tinha visitado seu blog ainda. Agora que eu conheci, passei um tempão degustando as excelentes histórias que você coloca por aqui. Parabéns pelo trabalho! Já coloquei esse espaço como site relacionado lá no meu Blog.

Grande Abraço!

José António disse...

Boa tarde

Como o seu blog é um dos que visito frequentemente, tomei a liberdade de o inscrever no http://www.bloggerschoiceawards.com, um site americano que está encarregue de escolher, por voto popular, os melhores blogs do ano.

Desculpe o meu atrevimento

Cumprimentos e bom fim de semana

Speeder_76 disse...

Foi bom lembrares-te desta história. De facto, o Graham Hill hoje em dia não é tão recordado como outros grandes corredores do seu tempo, como o Jim Clark ou o Jackie Stewart. É mais recordado ao nível de um John Surtees ou um Dan Gurney, e ele tem mais palmarés do que eles...

A propósito do comentário do senhor em cima: já coloquei o meu voto. Espero que te inscrevas e vás votar não só no teu, mas nos outros blogs que lá estão.

A lista está aqui, neste link: http://continental-circus.blogspot.com/2007/08/votem-em-mim-e-nos-outros.html

Saco de Gatos disse...

Monocromático, permita-me um pitaco: em nenhum momento a equipe de Graham Hill correu com Tyrrell. Na verdade, houve esse carro com as cores do cigarro Embassy mas alinhado pela Lexington Racing, um time sul-africano, para Ian Scheckter correr o GP local em 1975. Shadow, Lola e o modelo Hill GH1 foram de fato os carros que a equipe do bicampeão mundial alinhou.
Abraços!

walter disse...

Acho genial o modo detalhado e original com que você conta suas histórias.
Em relação ao Hill, acho que a fase pós-acidente, quando Hill destruiu suas pernas e ficou mais torto do que o Garrincha, é uma fase ruim, em que ele não podia mais repetir seus desempenhos anteriores.
Mas continuava bom, como se viu das suas pilotagens na F2 e em LeMans.